Atendimento de seg-sáb das 8h às 18h (61) 33891411 (61) 985759685

É clichê dizer que os pombos são o símbolo da paz, mas isso geralmente é uma referência feita à famosa pomba branca, já os típicos pombos que vemos nas grandes cidades com sua cor cinza azulada, não compartilham a mesma boa imagem. Os pombos da espécie de aves Columba Livia são vistos como “ratos de asa” e não é por pouco! Essas aves de pequeno e médio porte, também conhecidas como “Columbinas”, possuem um grande número de parasitas em seu corpo, alguns exemplos são ácaros, carrapatos e percevejos. 

De onde vêm os pombos? 

Originários da Ásia Ocidental, os Columbinas foram trazidos para o Brasil no início do século XIX por ordem de Dom João VI, que tinha o intuito de enfeitar as cidades. O que ele provavelmente não esperava, era que os pombos acabassem se espalhando com tanta rapidez pelo país. Afinal, as aves têm de cinco a seis ninhadas por ano, podendo nascer dois filhotes por vez. 

Curiosidades sobre o “rato de asa” 

Também conhecidos como "pombos-domésticos", podem medir de 28 a 38 centímetros, aproximadamente. Seu corpo é pesado, mas seu bico é fraco, já a cabeça é pequena e redonda. Os pombos possuem em suas patas dispositivos que os ajudam a se orientar pelo campo magnético da terra.  

Essas aves conseguem voar até 315 km de distância em uma velocidade de 80 km por hora, sem perder resistência. Os pombos vivem até 30 anos em condições silvestres, mas vivem apenas 5 anos, em média, nas grandes cidades. 

A dieta de um pombo-doméstico 

Por conta de sua aparência simpática, não é tão difícil ver pessoas jogando restos de comidas para os pombos, mas não é só de migalhas que eles vivem. Os pombos têm em sua dieta grãos e sementes, entre eles estão: arroz, aveia, milho, trigo, lentilha, cevada, linho, ervilha, girassol, gergelim, entre outros. 

Doenças transmitidas pelos pombos 

Apesar da aparência amigável e do lado interessante dos pombos, percebido pelas informações técnicas sobre eles, os chamados “ratos voadores” herdaram esse apelido por poderem transmitir a outros animais e aos seres humanos um número de doenças que podem ser até fatais caso não sejam diagnosticadas ou tratadas corretamente. 

Piolho de pombo  

Apesar do nome, o “piolho de pombo” se trata de um ácaro hematófago, que pode chegar até 1 mm e infestar outras aves, causando forte coceira e danos às penas. No ser humano, as picadas também causam coceira, algo parecido com uma picada de mosquito. Apesar de não transmitir nada grave, a coceira é bastante incômoda e, em alguns casos, pode se espalhar pelo corpo, mas o mais comum é o ácaro picar e em seguida abandonar o alvo parasitado. 

Criptococose 

Também conhecida como “doença do pombo”, a criptococose é uma doença classificada como micose sistêmica por ser causada por fungos. O diagnóstico é feito através de testes laboratoriais como o "tinta-da-china", que identifica o agente transmissor da criptococose, além da observação clínica dos sintomas e análise de secreções corporais. A doença é transmitida aos seres humanos quando estes inalam os fungos que causam a criptococose. Se não for bem tratada, pode levar a óbito. 

Sintomas: 

  • Febre;  
  • Dor de cabeça;  
  • Náusea;  
  • Vômito;  
  • Confusão mental;  
  • Fraqueza;  
  • Dor no peito;  
  • Tosse;  
  • Alterações na visão;  
  • Rigidez na nuca; 
  • Sudorese noturna (transpiração excessiva durante a noite). 

Salmonelose 

A salmonelose é uma doença infecciosa provocada pela salmonella, é rara e afeta mais pessoas com sistema imunológico comprometido. A contaminação ocorre pela ingestão de alimentos contaminados pelas fezes dos pombos. Geralmente não é preciso realizar nenhum tratamento específico, mas a salmonelose pode causar forte desidratação, logo é preciso repor líquidos fazendo o uso de soro. Em alguns casos, a bactéria atinge a corrente sanguínea e o uso de antibióticos se faz necessário. 

Os sintomas surgem entre 8 e 48 horas após o ser humano entrar em contato com o alimento infectado, entre eles estão: 

  • Dores de barriga;  
  • Dor de cabeça; 
  • Mal-estar; 
  • Diarréia;  
  • Febre;  
  • Calafrios;  
  • Náuseas;  
  • Vômito;  
  • Sangue nas fezes. 

Psitacose 

Também conhecida como “ornitose” ou “febre dos papagaios”, a psitacose é uma doença causada pela bactéria Chlamydia psittaci, presente em diferentes aves, incluindo os pombos. Esta bactéria pode chegar ao sistema nervoso, causando alucinações. O tratamento é feito com o uso de antibióticos como Doxiciclina ou Eritromicina, por exemplo.  

Sintomas: 

  • Febre; 
  • Dor de cabeça; 
  • Calafrios; 
  • Tosse; 
  • Fraqueza; 
  • Lesões na pele; 
  • Crescimento do baço e do fígado; 
  • Delírios; 
  • Sangramento do nariz; 
  • Dificuldade de respirar.  

Histoplasmose 

Transmitida tanto por pombos, quanto por morcegos, a histoplasmose é uma doença que também afeta mais gravemente pessoas com o sistema imunológico comprometido. Essa doença infecciosa é causada pelo fungo Histoplasma capsulatum, cuja contaminação acontece através da inalação. O tratamento é feito de acordo com as recomendações do médico. É comum serem usados medicamentos anti fungos como Itraconazol e Anfotericina B. 

Sintomas: 

  • Dor de cabeça; 
  • Perda de peso; 
  • Febre;  
  • Calafrios;  
  • Tosse seca; 
  • Dificuldade para respirar;  
  • Tosse seca;  
  • Dor no peito;  
  • Cansaço excessivo;   
  • Dor muscular. 

O pombo é uma praga urbana? 

De acordo com o Ibama, o pombo-doméstico não é uma praga urbana, mas sim um animal sinantrópico. Ou seja, um animal que se adaptou a viver junto do homem, mesmo sem a vontade deste.  

Os pombos são protegidos por leis ambientais por serem aves da fauna silvestre, o que significa que eles não podem ser mortos como pragas semelhantes às ratazanas, por exemplo. A pena para quem mata pombos pode chegar até a cinco anos de prisão. A proibição se dá de acordo com a lei 9605/98 e o decreto 6514/08. 

Manejo de pombos 

O manejo de pombos substitui o ato de matá-los, se trata de um serviço que elimina os fatores que atraem as aves, remove seus ninhos e realiza ações de desinfecção. 

Para se livrar dos pombos, a Folha Dedetizadora possui técnicas eficazes, seja qual for a situação. O caso é estudado e a melhor abordagem será colocada em prática, para que você não tenha mais que se preocupar com os pombos, suas fezes e fungos. 

Entre em contato com a Folha Dedetizadora agora mesmo: 

contato@folhadedetizadora.com.br 

(61) 3389-1411 

Comentários